Anvisa aprova regulamentação de controle de gordura trans com contribuições do ITAL, da Secretaria de Agricultura


Além de participar das discussões regulatórias, instituto orienta indústria e esclarece consumidor há mais de uma década

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL), órgão de pesquisa vinculado à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), fez relevantes contribuições à Gerência-Geral de Alimentos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no estabelecimento de requisitos para uso de gorduras trans industrial em alimentos, cuja regulamentação foi aprovada no último dia 17 . Além disso, desde 2010, quando publicou o estudo Brasil Food Trends 2020, o Ital motiva a inovação estratégica, tácita e confiável no setor de alimentos e bebidas com base em macrotendências, dentre elas Saudabilidade e Bem-Estar.

As contribuições do Ital no processo regulatório sempre ocorreram à convite da Anvisa ao longo dos anos. Na reunião para discussão regulatória sobre ácidos graxos trans, realizada há um ano pela agência na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Brasília, o instituto listou o quantitativo identificado em 1.003 produtos alimentícios analisados nos últimos cinco anos a pedido dos fabricantes, apontando, por exemplo, que na sardinha em óleo há opções de 0,04 a 0,32 gramas de gorduras trans a cada 100 gramas de produto, e na sardinha ao próprio suco com óleo tem opções de 0,01 a 0,15 gramas a cada 100 g de produto.

“Constatamos que a maioria dos produtos analisados, de diferentes tipos, está com a quantidade de gorduras trans bem abaixo do estabelecido de 1º de julho de 2021 até janeiro de 2023. Consideramos que a indústria está ciente e buscando alternativas de redução de gorduras trans de maneira gradativa desde 2003, quando a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) apontaram, com nível de evidências científicas convincente, que o consumo de gorduras trans aumenta o risco de doença cardiovascular”, esclarece a pesquisadora Roseli Ferrari, atual diretora do Centro de Ciência e Qualidade de Alimentos (CCQA) do Ital.

Segundo a Anvisa, foram oito as principais recomendações de saúde pública relacionadas a ácidos graxos trans até a atual regulamentação, tendo se destacado em 2008 a obrigatoriedade de estarem discriminados na rotulagem nutricional. “Sempre nos convidam para participar dos grupos de discussão, e nos consultam porque sabem da nossa competência e entendem que as restrições precisam ser concretizadas considerando a ciência e tecnologia que dispomos na atualidade”, ressalta Roseli.

Justamente diante da evolução da pesquisa e desenvolvimento (P&D) e dos desdobramentos do Food Trends, o Ital passou a contar com uma plataforma de inovação tecnológica dedicada a estudos de tendências e disseminação do conhecimento técnico-científico nacional e internacional não só para a indústria como para a sociedade. Desde o início, o instituto pontuava a existência e necessidade de ampliação da produção de alimentos industrializados isentos ou com teores reduzidos de sal, açúcar e gorduras dentre tantas outras opções ligadas à Saudabilidade e Bem-estar sem deixar de atender outras quatro macrotendências: Sensorialidade e Prazer, Conveniência e Praticidade, Qualidade e Confiabilidade e Sustentabilidade e Ética.

Dentro da série, o Ingredients Trends, publicado em 2014, ainda teve parte do conteúdo dedicado à melhoria de qualidade e reformulação de produtos , incluindo uma abordagem específica de ingredientes para redução e substituição de gordura. Já no site http://www.alimentosprocessados.com.br, mantido pela plataforma e revisado por comitê técnico-científico, podem ser consultados os produtos em que são encontrados óleos, gorduras e substitutos e as iniciativas empresariais destinadas à redução de gorduras .

Desenvolvido por KYU design gráfico